29 de fevereiro de 2012

Um luxo radioso de sensações


Ilustração de Lieserl.



"... sentia um acréscimo de estima por si mesma, 
e parecia-lhe que entrava enfim numa existência superiormente interessante, 
onde cada hora tinha o seu encanto diferente, 
cada passo condizia a um êxtase, 
e a alma se cobria de um luxo radioso de sensações!"

Eça de Queiroz



Brincava com as palavras.
Tecia rimas. Falava em métricas.
Mergulhava em si. em lá. em dó.

E a leitura lhe soava re-encontro.

Era estranho ver-se acordada e com isto satisfazer-se quando por tanto tempo o que mais almejou foi o sonhar.
O idílio. O porvir. O partir.

De olhos absortos mal cria no espetáculo que despontava a sua frente.
Diariamente.
Era a chuva. Areia e mar. O novo acorde. A velha esquina de muros coloridos.
Tudo ali. Para si. A fim de tornar-lhe a existência real.
Deliciosamente banal.

Os sentidos, aguçados, captavam cada instante, na tentativa - mesmo sabida vã - de dourar seus momento com as cores da eternidade.  Era-lhe doloroso racionalizar que tudo o que sentia seria a pouco resumido como mais um momento sobre o sol. Assim, fechava os olhos, Num ingênuo esforço de gravar em si aquela enxurrada de saborosas sensações.
No entanto, apesar da dor, não mais sofria. Passava a compreender que a beleza dos instantes encontra-se justamente na efemeridade.
E sorria de si.
E era grata pelo que lhe fora dado sentir.
Coberta "de um luxo radioso de sensações!"


Sobejava o que antes era ausência.
E da agonia fez-se acalanto.
De macambúzio a ditirâmbico.

Naiana Carvalho





"Congela o tempo pr'eu ficar devagarinho
com as coisas que eu gosto
e que eu sei que são efêmeras
e que passam perecíveis
que acabam, se despedem,
mas eu nunca me esqueço."

Tulipa Ruiz





2 comentários:

  1. É, mais uma vez o tema da conversa é efemeridade versus desejo de eternidade.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...